Ir direto para menu de acessibilidade.

Idiomas

Buscar no portal

Busca

Opções de acessibilidade

Página inicial > Últimas Notícias > Vem aí a MUCANPA 2020: Na Fronteira da Canção, Vozes da Resistência
Início do conteúdo da página

Vem aí a MUCANPA 2020: Na Fronteira da Canção, Vozes da Resistência

  • Publicado: Sexta, 25 de Setembro de 2020, 18h36
  • Última atualização em Terça, 13 de Outubro de 2020, 14h44

 WhatsApp Image 2020-10-07 at 3.56.54 PM.jpeg

 

MUCANPA 2020: NA FRONTEIRA DA CANÇÃO, VOZES DA RESISTÊNCIA

 

Algumas canções modernas brasileiras atingiram uma alta elaboração técnica, seja musicalmente, seja poeticamente. Essa constatação incentivou na criação da MUCANPA. Apesar de não ser obrigatório à canção uma maior elaboração estética, seja na MPB, seja no rock, grandes criações mostraram um tal grau de elaboração que acabaram virando pesquisa de críticos literários, pesquisadores em Música, em História, dentre outros.

O interesse primeiro que motivou a criação do evento era a canção enquanto poesia cantada. A confirmação do valor poético de determinadas canções viria em 2016, com Bob Dylan recebendo o Nobel de Literatura 2016, e com Chico Buarque vencendo o Prêmio Camões 2019, o maior em Literatura de língua portuguesa.

Marabá também possui uma tradição na canção. Havia o FECAM (Festival da Canção de Marabá), que por muito tempo atraiu músicos de vários lugares do Pará e do Brasil. No entanto, devido à grande procura pelo festival, hoje infelizmente extinto, o FECAM passou a não dar conta sozinho da grande demanda criadora produzida na região, pois na seleção ficavam de fora os que ainda estavam iniciando no mundo da canção, ficando, assim, o festival mais para os músicos mais experientes.

A partir dessa primeira necessidade de abrir espaços a compositores e letristas do sul e sudeste do Pará ainda não inseridos em circuitos de festivais, foi realizada a 1ª versão da MUCANPA, ainda como projeto submetido a edital da PROEX-UFPA, ainda antes da criação da Unifesspa a partir do Campus Marabá da UFPA. Essa primeira iniciativa teve continuidade nos anos seguintes, com uma abrangência cada vez maior, tendo sido incorporada ao calendário oficial da Unifesspa, via PROEX. Hoje, as comunidades internas e externas dos campi da Unifesspa se confraternizam nesse evento já tradicional, que chega à sua oitava edição, sempre a partir da ajuda de muitos braços.

A MUCANPA colocou Marabá como o principal centro difusor da produção universitária de canção no estado, seguindo o exemplo de mostras semelhantes criadas em outros estados, tendo, assim, uma importância para além do sul e sudeste do Pará. E, além da necessidade de divulgação das canções de compositores sem oportunidade, há outra necessidade que se mostrava presente desde a primeira edição da MUCANPA: a pesquisa e a reflexão crítica em torna da canção – que já acontece em outras regiões. Essa preocupação em pensar sobre a canção, seja a partir dos estudos literários, musicais ou históricos, com a constituição de espaços de debate, é o que torna a MUCANPA uma proposta única em relação aos festivais de canção existentes na Amazônia, em que a reflexão crítica sobre a canção geralmente fica restrita a um júri avaliador.

Com o objetivo de aprofundar esse diferencial crítico da mostra, esta edição da MUCANPA terá, além das mesas de debates sobre temas que se ligam a canção, a abertura para comunicações orais que estudem a canção a partir dos enfoques de pesquisa da Literatura, da História, da Antropologia, da Música ou de áreas afins.

Em decorrência da pandemia do novo coronavírus, que impôs a necessidade do isolamento social e a suspensão de atividades culturais presenciais, a versão de 2020 da MUCANPA acontecerá de forma online, com transmissão via internet.

O tema da edição deste ano – MUCANPA 2020: NA FRONTEIRA DA CANÇÃO, VOZES DA RESISTÊNCIA – busca pensar a canção numa região de fronteira, como é o sul e sudeste do Pará, mas busca também quebrar as fronteiras disciplinares para mobilizar diferentes conhecimentos que podem se encontrar na canção. E que essas comunicações resultem no aprofundamento de pesquisas sobre cantadores, bandas ou letristas. Serão bem-vindas canções que abordem os temas da fronteira e trabalhos acadêmicos e/ou ensaísticos, dentro de quaisquer abordagens teórico-metodológicas que tenham a canção como objeto de pesquisa.

Pesquisemos, toquemos e, acima de tudo, cantemos, para espantar os males que assolam o mundo.

Texto de Clei Sousa / ILLA - Unifesspa

 

Acesse o Regulamento - MUCANPA 2020.

Acesse a Chamada Publica para Trabalhos - MUCANPA 2020.  

 

registrado em:
Fim do conteúdo da página